Fale Conosco
RJ: (21) 3382-9100
SP: (11) 2157-7092

Google Plus

Telefônica vê possível fim de cobranças por minuto de voz

21•11•2016

É difícil imaginar que, nos próximos anos, as operadoras continuarão cobrando por minuto de voz”, observou o presidente da Telefônica Vivo, Amos Genish

São Paulo – O presidente da Telefônica Vivo, Amos Genish, alertou para o período de transformações pelo qual está passando o setor de telecomunicações e ressaltou a necessidade de as operadoras se especializarem na prestação de serviços digitais.

Durante apresentação na Futurecom, feira que reúne empresários do setor, o executivo comentou que mais de 50% do faturamento da companhia ainda vem das receitas dos serviços de voz, cuja demanda tem caído nos últimos anos devido à migração dos consumidores para mensagens de texto e áudio via aplicativos.

“Para os próximos anos, a queda será ainda mais forte. É difícil imaginar que, nos próximos anos, as operadoras continuarão cobrando por minuto de voz”, observou Genish.

O executivo estimou que o tráfego de internet no Brasil vai crescer 20% de 2015 a 2020, e previu que serviços como Netflix e Youtube vão puxar o aumento da demanda pelo tráfego de dados.

Ele citou que o acesso à internet pelo celular cresceu 14 vezes em cinco anos, o que também deixou o consumidor mais exigente em relação à qualidade dos serviços.

No caso da Telefônica Vivo, Genish reiterou que o plano estratégico está focado na melhora da qualidade da conexão aos usuários e maior prestação de serviços digitais. “Temos que achar novas fontes de receita, ficar mais eficientes nos custos e empregar o capex (investimento) de forma mais inteligente”.

Em relação aos fatores externos, o executivo disse esperar melhora no cenário macroeconômico ao longo dos próximos meses, de modo a incentivar a comercialização dos pacotes de assinaturas. Ele defendeu o projeto de lei 3453, que altera o marco regulatório das telecomunicações, que expandirá a capacidade de investimentos no setor, conforme sua avaliação.

Genish frisou também a necessidade de revisão da carga tributária para o setor, que responde por 43% das receitas geradas. Boa parte da arrecadação ocorre via ICMS e vai para os Estados. “Temos sempre surpresas, porque as alíquotas são crescentes. Os Estados têm apetite ilimitado. Isso é um problema enorme”, disse.

Por: Circe Bonatelli – EXAME.com

Empresa de serviço de instalação e manutenção de PABX hibrido digital IP Central telefônica Servidor voz VoIP Gateway celular Interface Cabeamento rede estruturada infraestrutura dados CFTV RJ
Serviço, PABX, hibrido, digital, IP, Central, telefônica, Servidor, voz, VoIP, Gateway, celular, Interface, Cabeamento, estruturado, rede, infraestrutura, dados, CFTV