Fale Conosco
RJ: (21) 3382-9100
SP: (11) 2157-7092

Google Plus

Mais da metade da população global continua offline, diz UIT

19•08•2016

A maioria da população global ainda não está na Internet, e os homens são mais conectados do que as mulheres em todo o mundo, de acordo com estudo da União Internacional de Telecomunicações (UIT) divulgado nesta sexta-feira, 22.

São 3,9 bilhões de pessoas desconectadas, o que corresponde a 53% da população no planeta.

Do total de conectados, há um grande dividendo digital entre os países desenvolvidos, com penetração de 81%, e os em desenvolvimento, com 40%. Nos países mais carentes, a taxa é de apenas 15%.
Há ainda outro problema que também merece atenção: é maior a penetração de Internet entre homens do que em mulheres em todas as regiões no mundo.

Na verdade, o gargalo cresceu de 2013 para 2016: de 11% para 12%, o que equivale a uma diferença de penetração de 6,2 pontos percentuais (p.p.) entre os gêneros.

Há maior desigualdade na África, com 23% (6,5 p.p.), enquanto nas Américas há menor diferença, com 2% (1,2 p.p.).

Na divisão geográfica, a África é onde há menos penetração de Internet: 74,9% não possuem acesso. Os Estados Árabes e a Ásia Pacífico têm 58,4% e 58,1%, respectivamente, enquanto as Américas contam com 35% da população sem conexão.

A Comunidade de Estados Independentes (CEI, formada por 11 países da antiga União Soviética) e a Europa apresentam percentual de 33,4% e 20,9% de pessoas offline, respectivamente.

A título de comparação, o Brasil se enquadra entre os países com percentual entre 26% e 50% de desconectados – faixa que divide com países como México, Argentina, Chile, China, Portugal e Itália.

Para o secretário-geral da UIT, Houlin Zhao, o acesso à banda larga pode servir como um grande acelerador para a agenda de desenvolvimento sustentável para 2030 das Nações Unidas.

“A interconectividade global está expandindo rapidamente, embora seja necessário fazer mais para diminuir o dividendo digital e trazer mais da metade da população global que não usa a Internet na economia digital”, disse Zhao em comunicado.

Mobilidade

A boa notícia é que a cobertura de rede móvel está se tornando praticamente onipresente, atingindo potencialmente cerca de 95% da população no mundo, ou próximo de 7 bilhões de pessoas. Isso inclui não apenas tecnologias mais recentes, mas também a 2G.

O LTE atualmente cobre 53% da população, cerca de 4 bilhões de pessoas.

Mas a UIT ressalta que, embora o crescimento do número de acessos de banda larga móvel tenha sido de dois dígitos em países em desenvolvimento, onde a penetração é de 40,9%, o crescimento em escala global tem sido reduzido.

O total de acessos deverá chegar a 3,6 bilhões ao final deste ano, contra 3,2 bilhões no final de 2015.

Nos países desenvolvidos, há cerca de 1 bilhão de usuários de Internet móvel (90,3% de penetração), contra 2,5 bilhões em países em desenvolvimento (40,9%). Os países subdesenvolvidos têm 19,4% de penetração.

A região de maior penetração é a que engloba as Américas, com 78%. Seguem a Europa, com 76,6%; CEI, com 53%; Estados Árabes, com 47,6%; Ásia/Pacífico, com 42,6%; e África, com 29,3%.

Fixa

A penetração da banda larga fixa deverá chegar a 11,9% em 2016. Também na fixa há um grande gargalo entre os países desenvolvidos, com 30,1% de penetração, e as nações em desenvolvimento, com 8,2%. As menos desenvolvidas tem apenas 0,8%.

A região com maior presença da banda larga fixa é a Europa, com 30%, seguida das Américas, com 18,9%; CEI, com 15,4%; Estados Árabes, com 4,8%; e África, com 0,7%.

Vale ressaltar que o crescimento forte na China deverá fazer com que a região da Ásia/Pacífico chegue aos 10,5% ao final do ano, ainda de acordo com a previsão da UIT.

Preço e velocidade

Ao final de 2015, 83 países em desenvolvimento entraram na zona de acessibilidade econômica (“affordability”) da Comissão de Banda Larga da UIT. Essa faixa determinava que o preço do serviço não poderia ser maior do que 5% da renda média mensal.

Em faixa de velocidade também há um grande caminho a percorrer. Segundo o estudo, três a cada quatro conexões fixas tinham velocidade nominal de 10 Mbps ou mais em países desenvolvidos, contra dois em quatro em países em desenvolvimento.

Essa faixa de velocidade é a maioria no Brasil, segundo a UIT, deixando o País proporcionalmente à frente da Itália (embora com menos acessos no total) e da Colômbia, por exemplo.

A capacidade da banda internacional chegou a 185 mil Gbps em 2015, contra 30 mil Gbps em 2008. Entretanto, essa capacidade está distribuída de forma desigual, deixando gargalos de conectividade em países em desenvolvimento e subdesenvolvidos.

size_810_16_9_foursquare-2012-fev-cels

Internet: dos conectados, há um grande dividendo digital entre os países desenvolvidos, com penetração de 81%, e os em desenvolvimento, com 40%

Por - Bruno do Amaral, da Tela Viva – EXAME

Empresa de serviço de instalação e manutenção de PABX hibrido digital IP Central telefônica Servidor voz VoIP Gateway celular Interface Cabeamento rede estruturada infraestrutura dados CFTV RJ
Serviço, PABX, hibrido, digital, IP, Central, telefônica, Servidor, voz, VoIP, Gateway, celular, Interface, Cabeamento, estruturado, rede, infraestrutura, dados, CFTV